AH. AH. AH.

Ah, se você soubesse o que passa pela minha cabeça toda vez em que te vejo.
Ah, se você imaginasse como fico sempre que ouço a sua voz.
Ah. Ah. Ah.
É difícil explicar com palavras o que eu sei que não conseguiria nem explicar com atitudes.
Me liga na madrugada, me chama pra comer um hambúrguer lixo da esquina.
Me manda mensagem, só pra me falar sobre o seu dia.
Grita meu nome na rua, só pra falar um simples “oi”.
Me diz que já está tarde e eu deveria estar dormindo mas implora pra eu ficar mais 5 minutinhos.
Pega uma cadeira, senta ao meu lado, fica em silêncio.
Não esconde, não. Me diz que faria de tudo pra me ter em sua cama.
Me fala que quer mudar os fatos, que precisa me ver, que está melhorando.
Vamos queimar.
Vamos andar na praia.
Vamos entrar na água gelada.
Vamos acampar.
Sentados na praia planejando o incerto, rindo do passado e aproveitando o presente.
Vamos fazer tudo que você quiser, contanto que eu receba o teu sorriso como pagamento no fim do dia.

4 comentários em “AH. AH. AH.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s